Rubia Vanderlinde

Ensaio Opcional 1 (02.03.2018)

A mecânica de estudar a história.

A evolução sendo um processo multifatorial age na diversidade selecionando organismos mais adequados à pressão gerada pelo ambiente ao qual eles estão inseridos. Esse processo faz com que várias linhagens sejam extintas e com elas, suas características, assim como várias linhagens podem se originar a partir de uma preexistente. Essa dinâmica é muito importante para a variabilidade intra-específica, mas como isso pode ser traçado? Quais são as relações entre os seres vivos existentes? Os padrões muitas vezes podem ser observados por morfologia ou desenvolvimento, mas conforme a tecnologia avança e fica mais acessível, análises mais profundas podem ser feitas, como por exemplo, análises moleculares. A distinção molecular é muito importante para apontar quais características são conservadas em todos os níveis, desde o que se entende por ser vivo até subespécie. Um grande exemplo disso é o avanço de técnicas como HRM (high resolution melting) que consegue distinguir espécies que possuem apenas um amino ácido de diferença em um amplicon.

Comentário:

O parágrafo tem em sua oração título um tema muito abrangente, abordado de forma a aparentar que o assunto não terá um foco em específico. Entretanto, ao final do texto é apresentado um tópico que não foi mencionado ao decorrer do parágrafo de forma a afunilar o tema de forma inesperada, ou seja, o assunto não foi introduzido de maneira correta. No trecho "Essa dinâmica é muito importante para a variabilidade intra-específica" só é apresentado uma afirmação, não há uma justificativa que convença essa ideia. No decorrer do texto são apresentadas duas questões que, ao meu ver, não estão lineares com o que foi apresentado até então, tornando-se questões sem uma base clara. Por fim, concluo apontando a transição de assuntos partindo do processo evolutivo para novas observações de padrões, de forma um pouco confusa.

Feito por: Isabella Gaiao

Ensaio 09.03.18

Uma das ferramentas para a reconstrução histórica é a cladística. Ela se baseia no agrupamento dos seres vivos por similaridades. Porém, a quantidade de dados disponíveis podem gerar conflitos entre as árvores filogenéticas criadas ou simplesmente gerar um número de árvores possíveis impossíveis de serem analisadas individualmente. Para resolver esse tipo de conflito usa-se a busca heurística, ou seja, a definição de parâmetros para filtrar as informações obtidas. A organização dessas informações depende de critérios como parcimônia ou likelihood, por exemplo. A definição do critério é arbitrária e pode causar divergências de opiniões entre os estudiosos que usam essa ferramenta.

Comentário:

O início está muito bom, direto e conciso. No entanto, os períodos seguintes são muito longos e deixam a leitura cansativa. Você também citou vários conceitos que não foram explicados e precisam de algum conhecimento prévio para serem compreendidos.

Feito por: Raphael Bassanello

Ensaio 16.03.18

A classificação de Whitaker em cinco reinos implica que a evolução é direcional. Ou seja, dos seres "menos complexos" para os "mais complexos" ou inferiores pare os superiores. Para essa distinção, ele usou a característica da multicelularidade. Porém, os estudos moleculares mostram que há grande diversidade dentro dos grandes grupos. Essa diversidade abrange organismos multicelulares em grupos de unicelulares. Por isso é errôneo assumir a evolução como um processo unidirecional e finalista.

Comentário:

O tema escolhido é claro e sua abrangência é adequada para um parágrafo. Contudo, o desenvolvimento do texto podia ser melhor apresentado. Uma ideia seria inverter a ordem do quarto e quinto parágrafos, o que facilitaria o raciocínio.

Feito por: Caio Rosa

Ensaio 23.03.18

O ponto de vista é a vista de um ponto.

Quando um ser se propõe a classificar algo é necessário um critério. Esse critério é inventado a partir de um ponto de vista e por ele a classificação é feita. O viés desse ponto de vista é determinado pelo ser classificador. Uma vez que outros seres concordem com esse ponto de vista, ele é aceito pela comunidade e tido como correto. Porém, sempre há grupos que discordam e tentam provar os motivos pelos quais o critério não deveria ser aceito. E assim tem-se mais um viés opinativo. E assim cada vez mais tem-se um enviesamento em algum sentido.

Comentário:

O parágrafo trata o tema com coerência e clareza, mas poderia ser mais fluido. Notar que com fluidez não me refiro ao tamanho dos períodos, uma vez que a fragmentação feita pela pontuação fez com que seu texto ficasse conciso e bem agradável de se ler.

Feito por: João Oliveira

+Ensaio 20.04.18

A ancestralidade entre os organismos é algo muito bem aceito pela comunidade científica. Porém, existem pontos em que não há como ir além na delimitação dos ancestrais, deixando um buraco na história. Algumas hipóteses surgem tentando preencher esses buracos e algumas são pouco compreendidas em seu tempo por serem "muito ambiciosas". Uma dessas hipóteses foi a da endossimbiose, que não surgiu com o intuito de descrever esses eventos, mas que acabou colateralmente embasando pesquisar futuras sobre o tema. Lynn Margullis fez perguntas além de seu tempo e hoje elas suas hipóteses se mostram verdadeiras. Um exemplo disso é o surgimento das mitocôndrias. Hoje sabe-se que foi um evento de endossimbiose, mas como um organismo estranho à célula seria capaz de usar a maquinaria para se replicar num evento de mitose? Por quê o evento de endossimbiose aconteceu? E podemos ir além do surgimento da mitocôndria. Por quê a endossimbiose acontece? Quais as vantagens evolutivas desses eventos para os organismos em questão? Uma vez que se consegue traçar a ancestralidade e homologia entre esses organismos é possível responder a essas perguntas. A análise histórica do ambiente também ajuda a entender as razões dos eventos.

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License