Ursula

Página em construção o/

Ensaios

Um, 19 de fevereiro

E o pensamento científico continua avançando. Sabemos que a diversidade biológica já não é mais dividida em apenas cinco reinos. Com alguns cliques na internet, encontramos uma árvore que já nos mostra a diversidade diferente daquela que acreditávamos, mostrando a importância daqueles ditos “microrganismos” eucariontes, colocando-os no mesmo patamar dos multicelulares. E ainda assim, excluindo os outros microrganismos. Porém este “avanço” é o que nós, como cientistas, conseguimos ter acesso e até compreender. Mas não é isso o que é passado para os demais de nossa sociedade. A ciência continua avançando, ainda bem. Mas para quem?

Comentário Ensaio Um por Davi Jardim

E o pensamento científico continua avançando (essa oração não apresenta a ideia principal do texto, poderia ter sido usada para diversos assuntos). Sabemos que a diversidade biológica já não é mais dividida em apenas cinco reinos (acredito que o ethos está presente nessa oração, na tentativa de convencer o leitor de que é verdade). Com alguns cliques na internet, encontramos uma árvore (não explicita o tipo de árvore) que já nos mostra a diversidade diferente daquela que acreditávamos, mostrando a importância daqueles ditos “microrganismos” eucariontes, colocando-os no mesmo patamar dos multicelulares (para os leitores em questão, alunos de graduação de biologia, essa sentença não utilizou palavras que estariam de acordo; oração está muito comprida). E ainda assim, excluindo os outros microrganismos (aqui seria melhor dizer quais são os excluídos). Porém este “avanço” é o que nós, como cientistas, conseguimos ter acesso e até compreender. Mas não é isso o que o que é passado para os demais de nossa sociedade (faltou o "?", caso não seja uma perguntam seria melhor trocar por "porém"). A ciência continua avançando, ainda bem. Mas para quem? (essa oração não faz uma síntese das orações anteriores)

Dois, 04 de março

A reconstrução da história evolutiva dos organismos é comumente representada por árvores filogenéticas. Há vários métodos de construir estas árvores. A construção é complexa, pois há muitos organismos e muitos caracteres para considerar. Por esse motivo podemos gerar inúmeras árvores, mas a história evolutiva é única. Sendo assim, queremos encontrar a que melhor representa essa história. Para tanto, é utilizado os métodos probabilísticos. Um dos mais simples é a parcimônia. Ela determina a melhor árvore filogenética considerando as que possuem os menores números de eventos ocorridos entre os seus ramos. Além de entender como os métodos funcionam, é muito importante entender suas limitações. Isso permite que saibamos qual interpretação fazer daqueles resultados e o que precisa ser melhorado em nossas análises para uma reconstrução confiável.

Comentário Ensaio Dois por Julia Peloggia

A reconstrução da história evolutiva dos organismos é comumente representada por árvores filogenéticas. (a frase título está boa, resume a ideia do ensaio) Há vários métodos de construir estas árvores. (seria interessante comentar que esses métodos serão mencionados mais tarde) A construção é complexa, pois há muitos organismos e muitos caracteres para considerar. (não está muito bem explicado como esses caracteres são escolhidos e quem são eles) Por esse motivo podemos gerar inúmeras árvores, mas a história evolutiva é única. Sendo assim, queremos encontrar a que melhor representa essa história. Para tanto, é (são) utilizado(s) os métodos probabilísticos. Um dos mais simples é a parcimônia. Ela determina a melhor árvore filogenética considerando as que possuem os menores números de eventos ocorridos entre os seus ramos.(ficaria legal dizer o que é considerado como um evento) Além de entender como os métodos funcionam, é muito importante entender suas limitações. (algumas limitações ou desvantagens poderiam ser listadas também) Isso permite que saibamos qual interpretação fazer daqueles resultados e o que precisa ser melhorado em nossas análises para uma reconstrução confiável.
O texto tem muitos verbos, algumas frases poderiam ser divididas em duas (9 pontos finais e 21 verbos)

Três, 11 de março

O material genético dos organismos eucariontes é intrigante. Dizemos que ele é um genoma quimérico, pois pode conter partes do genoma de outros organismos. Por exemplo, se pensamos numa planta qualquer, no mínimo existem genes de dois tipos de procariotos. Ou seja, além de ter o genoma próprio, as plantas têm o da mitocôndria e do cloroplasto. Mas este caso das plantas parece ser tranquilo. Entretanto de outros organismos é uma mistura total. Por esse motivo (não só), a reconstrução da história evolutiva dos eucariontes é complexa.

Comentário Ensaio Três por Gabriel Freitas

O material genético dos organismos eucariontes é intrigante (acho que essa frase título não capturou bem a ideia (que eu peguei, ao menos) do texto). Dizemos que ele é um genoma quimérico, pois pode conter partes do genoma de outros organismos. Por exemplo, se pensamos numa planta qualquer, no mínimo existem genes de dois tipos de procariotos. Ou seja, além de ter o genoma próprio, as plantas têm o da mitocôndria e do cloroplasto (acho que a poderia estar construída de forma mais direta: "Ou seja, as plantas… plasto, além do genôma próprio"). Mas este caso das plantas parece ser tranquilo (como o Daniel disse, meio casual de mais e um blackbox). Entretanto de outros organismos é uma mistura total. Por esse motivo (não só), a reconstrução da história evolutiva dos eucariontes é complexa.
O texto está bom. Tem 10 verbos e 7 pontos finais, parece que uma relação menor do que no seu último texto! Acho que poderia se tornar mais enxuto se retirado partes mais "supérfluas" como "Dizemos que…" e "Se pensarmos…"

Quatro, 18 de março

Texto de divulgação científica destinado a Biólogos

O grupo dos dinoflagelados tem uma organização nuclear peculiar. Eles fazem parte do grupo dos Alveolados, dentro de Eukarya. Uma das características mais intrigantes é o fato deles não possuírem histonas. Essa proteína é bem conservada dentro do grupo dos eucariontes, e está ligada à organização típica do DNA encontrada no grupo. A ausência desta proteína gerou alguns debates quanto a posição filogenética dos dinoflagelados. Pensaram neles como um grupo irmão dos Eukarya. Mas atualmente já é consenso dentro dos eucariontes. Existem outras características que chamam atenção neste grupo. A permanente condensação do DNA e fato de que a carioteca não se desfaz na mitose são outros exemplos. Essa característica peculiar é interessante, pois nos faz pensar que os organismos são muito diversos e que ainda temos muito a investigar!

Cinco, 08 de abril

Correção da prova

A diversidade biológica é enorme. Desde Aristóteles até os dias atuais tentamos classificar os organismos para entender melhor esta grande diversidade. Com relação à classificação, o que vem na cabeça são os tradicionais Cinco Reinos. Esta classificação foi proposta por Whittaker, no final da década de 60. O cientista sugeriu a divisão em Procariontes (Monera), Eucariontes multicelulares (plantas, fungos e animais) e Eucariontes unicelulares (Protistas). Além disso, os organismos foram divididos em função dos modos de nutrição (por meio de fotossíntese, absorção ou ingestão). Mais para frente, na década de 70, Woese propôs a classificação em Três Domínios. Diferentemente da proposta tradicional, o Reino Monera foi desmembrado em Bactérias e Arqueas. Assim, com a ideia de Domínios, os procariontes na verdade não formam um grupo monofilético (grupos com apenas um ancestral em comum). O terceiro Domínio são os Eucariontes, no qual estamos incluídos. E este único domínio engloba todos os outros quatro reinos da antiga classificação. Porém, a diversidade de organismos eucariontes é enorme. Então, em meados dos anos 2000, Baldauf apresentou uma classificação que dividia os eucariontes em outros tantos grupos.

Seis, 15 de abril

Not found!

Sete, 29 de abril

Os microdinossauros

Como você sabe que dinossauros existem? Os registros fósseis são as evidências mais conhecidas. Os dinossauros são organismos grandes e que tinham sistema ósseo, característica que facilitava na fossilização. Porém há uma grande diversidade de organismos extintos que não são facilmente encontrados nos registros fósseis. Diferentemente dos dinossauros, os micro-organismos, principalmente aqueles que são apenas uma única célula, não fossilizam adequadamente. Com exceção de organismos unicelulares que têm tecas, como foraminíferos e diatomáceas, a decomposição pode ocorrer mais rápido do que o processo de fossilização e não deixar rastros. Por isso é mais difícil encontrar informações de seres unicelulares. Atualmente um dos métodos utilizados para responder à questões evolutivas dos unicelulares são os que juntam informações fósseis (morfológicas) com informações moleculares. As informações moleculares são evidências de atividades metabólicas encontradas nas rochas. Este tipo de informação também é utilizado no caso dos dinossauros, mas para saber que micro-organismos existiram estas informações são cruciais.

Comentário Ensaio Sete por Sara

Como você sabe que dinossauros existem? Dois verbos numa mesma frase. Não entendi muito bem o sentido da frase. Seria: "Como saber se os dinossauros existiram?" Os registros fósseis são as evidências mais conhecidas. Os dinossauros são Os dinossauros foram organismos grandes e que tinham sistema ósseo, característica que facilitava na fossilização. Porém há uma grande diversidade de organismos extintos que não são facilmente encontrados nos registros fósseis. Diferentemente dos dinossauros, os micro-organismos, principalmente aqueles que são apenas uma única célula, não fossilizam adequadamente. Com exceção de organismos unicelulares que têm tecas, como foraminíferos e diatomáceas, a decomposição pode ocorrer mais rápido do que o processo de fossilização e não deixar rastros. Por isso é mais difícil encontrar informações de seres unicelulares. Atualmente um dos métodos utilizados para responder à questões evolutivas dos unicelulares são os que juntam informações fósseis (morfológicas) com informações moleculares. As informações moleculares são evidências de atividades metabólicas encontradas nas rochas. Este tipo de informação também é utilizado no caso dos dinossauros, mas para saber que micro-organismos existiram estas informações são cruciais.

Oito, 06 de maio

Hoje o exercício foi reescrever dois textos. Logo é uma autoreflexão! Muito importante para a Vida, o Universo e tudo mais, se é que tudo mais existe…

>Texto do dia 19 de fevereiro

E o pensamento científico continua avançando. Entretanto, o avanço da ciência continua restrito aos cientistas. Por exemplo, sabemos que a diversidade biológica já não é mais dividida em apenas cinco reinos. Com alguns cliques na internet, encontramos uma árvore que já nos mostra a diversidade diferente daquela que acreditávamos. Nesta árvore vemos que os Protistas na verdade não formam um grupo verdadeiro. Além de ter acesso a essa informação, conseguimos entendê-la. Porém, esses avanços da ciência não são divulgados para os demais de nossa sociedade. A ciência continua avançando, ainda bem. Mas para quem?

>Texto do dia 18 de março

Texto de divulgação científica destinado a Biólogos

Os dinoflagelados têm uma organização nuclear peculiar. Eles fazem parte do grupo dos Alveolados, dentro de Eukarya. Uma das características mais intrigantes é o fato deles não possuírem histonas. Essa proteína é bem conservada dentro do grupo dos eucariontes, e está ligada à organização típica do DNA encontrada no grupo. A ausência desta proteína gerou alguns debates quanto a posição filogenética dos dinoflagelados. Por causa disso, até pensaram neles como um grupo irmão dos Eukarya. Mas atualmente já é consenso que o grupo está dentro dos eucariontes. Além dessa, existem outras características que chamam atenção neste grupo. A permanente condensação do DNA e fato de que a carioteca não se desfaz na mitose são outros exemplos. Este grupo é de fato muito interessante, pois nos faz pensar que os organismos são muito diversos e que ainda temos muito a investigar!

Comentado por Vossa Dignidade, Gabriel Freitas.

Os dinoflagelados têm uma organização nuclear peculiar. Eles fazem parte do grupo dos alveolados, dentro de Eukarya. Uma de suas características mais intrigantes é o fato deles não possuírem histonas. Essa proteína é bem conservada dentro do grupo dos eucariontes e está ligada à organização típica do DNA encontrada no grupo. A ausência desta proteína gerou alguns debates quanto a posição filogenética dos dinoflagelados. Por causa disso, até pensaram neles como um grupo irmão dos Eukarya. Mas atualmente já é consenso que o grupo está dentro dos eucariontes. Além dessa, existem outras características que chamam atenção neste grupo. A permanente condensação do DNA e fato de que a carioteca não se desfaz na mitose são outros exemplos. Este grupo é de fato muito interessante, pois nos faz pensar que os organismos são muito diversos e que ainda temos muito a investigar!

Quanto a forma está bom! :) O único comentário é que a temática que a frase título/bandeira afirma é pouco tratada no texto. Eu deixei em itálico as frases que tratam da organização nuclear pra ficar mais visual.

Nove, 13 de maio

Assim como revisar o escrito, saber construir o escrito é tão importante quanto a Vida, o Universo e tudo mais.

Possíveis temas para o ensaio:

Sexo nos "protozoários": o tema é interessante, pois há a ideia de que a maioria dos representantes deste grupo tem são assexuados. Porém há um texto que comenta sobre essa visão.

Imortalidade: gosto do tema.

O núcleo dos dinoflagelados: foi o tema do meu seminário e eu achei muito curioso! Gostaria de desenvolver mais o tema [fiz um parágrafo sobre, mas poderia desenvolver melhor]. Pensei na abordagem de desmistificar que o núcleo é sempre igual (sempre igual ao nosso, no caso).

Mitose: foi a aula de hoje. É engraçado que posso fazer o mesmo comentário do tema anterior: nós temos uma visão de que a mitose ocorre apenas de uma maneira, só que não.

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License